Manual do Pós-Graduando

Processo de passagem de estágio probatório (PG0) para PG1

Os candidatos ao Curso de Mestrado ou Doutorado serão admitidos como alunos em estágio probatório, devendo elaborar projeto de pesquisa que obrigatoriamente deverá ser englobado por alguma Linha de Pesquisa do Programa.

A duração do período do estágio probatório será de 12 meses, podendo prorrogado, mediante solicitação do seu orientador .

A matrícula do candidato ao Curso de Mestrado ou Doutorado será efetivada mediante a avaliação de seu desempenho no decorrer do período probatório e aprovação pela CEPG. A solicitação de matricula é feita pelo orientador.

Excepcionalmente, o aluno poderá ser matriculado no Curso de Mestrado ou Doutorado, independentemente de cumprir o período de estágio probatório, mediante a análise do projeto de tese pela CEPG.

Transferência de Nível – Mestrado para Doutorado

O orientador solicita essa passagem baseado na apresentação de todos os dados já colhidos pelo aluno, com a respectiva análise estatística.

O aluno deverá fazer uma qualificação composta de:

  • Apresentação oral formal de 30 minutos para o orientador e mais 2 professores da CEPG Oftalmo, em PowerPoint contendo introdução, objetivo, material e métodos, resultados (c/análise estatística) e discussão.
  • Fornecer 03 exemplares da parte escrita com 1 mês de antecedência contendo de forma sucinta Introdução, Material e Métodos, Resultados (com análise estatística) e Discussão.

O aluno deve residir a mais de 100 km do perímetro urbano de São Paulo.

Podem cumprir tantos os créditos obrigatórios como opcionais, a partir do momento que estes tenham a mesma característica e carga horária exigida pelo Programa de Pós-Graduação da UNIFESP/EPM em outras Universidades.

  1. Comissão “ad hoc” composta pelo vice e coordenador da Pós-Graduação de Oftalmologia, analisam e aprovam a creditação;
  2. Os certificados devem vir acompanhados de carta confirmatória assinada pelo Chefe de Departamento e Prof. Titular em vigência, na Universidade onde tais créditos foram cumpridos.
  3. Ressaltamos que só serão aceitos créditos realizados em Serviço Credenciado pelo CBO ou MEC. O PG pode fazer seu curso à distância, tanto de Oftalmologia como Ciências Visuais, tendo a concordância do seu Professor Orientador e ressaltando-se que deverá cumprir os créditos obrigatórios e opcionais, com a mesma especificidade e carga horária, e deverá também, obrigatoriamente, participar do “Research Days”.

Programa de Pós-Graduação em Oftalmologia  e Ciências Visuais atualmente possui 25 bolsas de doutorado e 03 de mestrado, concedidas pelo Programa de Excelência – PROEX – CAPES . Esse número está relacionado a nossa nota quadrienal da CAPES.

O critério para fornecimento de bolsas CAPES é de:

  1. Estar matriculado;
  2. Disponibilidade da bolsa;
  3. Residir na cidade de São Paulo;
  4. Dedicação em pesquisa no Departamento de Oftalmologia e Ciências Visuais
  5. Andamento do desenvolvimento da tese (mostrar resumo com possíveis resultados);
  6. Produtividade e Curriculum Orientador

Outras bolsas oriundas do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPQ e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo FAPESP são também fornecidas, tanto para os cursos de Mestrado Acadêmico, Doutorado e Pós-doutorado.

Estas bolsas podem ser obtidas através de aplicação pelo Pós-graduando com a ajuda do professor orientador nos respectivos endereços eletrônicos acima.

O PDSE – CAPES foi instituído em 2011, em substituição ao Doutorado Sanduíche Balcão e ao Programa de Doutorado no País com Estágio no Exterior (PDEE). A alteração visou ampliar o número de cotas concedidas às Instituições de Ensino Superior (IES), e dar maior agilidade no processo de implementação das bolsas de estágio de doutorando no exterior.

A Pró-Reitoria de Pós-graduação das IES, ou órgão equivalente, é responsável por gerenciar as cotas, homologar as candidaturas, divulgar os resultados e realizar o acompanhamento dos bolsistas e egressos, mantendo a Capes informada sobre o andamento do estágio no exterior e garantindo o cumprimento das normas do PDSE.

Maiores informações: http://www.capes.gov.br/component/content/article?id=4561 

 

CRÉDITOS OBRIGATÓRIOS

Doutorado = 40 créditos
Mestrado = 25 créditos

01 crédito equivale a 15 horas

O aluno de pós-graduação necessita cumprir um número pré-determinado de créditos obrigatórios e opcionais. O número total de créditos é de 25 para a modalidade Mestrado e 40 para Doutorado.

Necessário cumprir todos os créditos para a defesa da tese.

O controle de créditos cumpridos é feito pelo discente, que deve entregar todos os  comprovantes de realização de uma única vez  na secretária do PPG com a documentação de agendamento da defesa.

Créditos Obrigatórios: tanto para Mestrado com o Doutorado, nos dois cursos, Oftalmologia e Ciências Visuais são listados na tabela abaixo.

CRÉDITOS OBRIGATÓRIOS HORAS CRÉDITOS
Didática Especial I 150 10
Estágio de Docência 45 03
Educação Continuada em Oftalmologia e Ciências Visuais (Grand-Round) 60 04
Atualização em Pesquisa Oftalmológica (Research Days)* 30 02
Teses Assistidas (06 obrigatórias) 15 01
Análise Estatística 30 02
Epidemiologia 60 04
Metodologia Cientifica 45 03
Pesquisa Online para Pós-graduando 120 08
Ética em Pesquisa 30 02

 

CRÉDITOS OPCIONAIS

OPCIONAIS PARA CIÊNCIAS VISUAIS

CRÉDITOS OPCIONAIS HORAS CRÉDITOS
Psicologia Sensorial 160 10,5
Bases Fisiológicas da visão 20 1,5
Seminários em Eletrofisiologia visual 120 08
Seminários em alterações visuais relacionadas do esforço físico 60 04

 

  • Atividades opcionais que poderão valer créditos
CRÉDITOS OPCIONAIS HORAS CRÉDITOS
Aula para Pós-Graduação 15 01
Aula para Extensão 15 01
Aula para Graduação – exceto aulas obrigatórias p/ o 5o ano 15 01
Apresentação de caso (06 apresentações) 15 01
Coordenação de curso ou simpósio em evento científico (02 eventos) 01
Aula em evento científico  (02 eventos) 01
Apresentação de tema livre (exceto research days) 01
Apresentação de trabalho na arvo como 1o autor 04
Apresentação de trabalho na arvo como co-autor 01

 

  • Publicações
CRÉDITOS OPCIONAIS HORAS CRÉDITOS
Brasil, como 1o autor 2
Brasil, como co-autor 1
Exterior, como 1o autor 6
Exterior, como co-autor 3

 

Detalhamento das Atividades Obrigatórias:

Os créditos obrigatórios realizados fora da UNIFESP deverão ter a mesma especificidade e carga horária exigidas pela CPG da Universidade e serão avaliados pelo coordenador CEPG Oftalmologia.

  • Didática Especial I: Atividade no ambulatório, laboratório ou local onde está sendo desenvolvido o projeto de estudo sob coordenação do seu orientador.
  • Didática Especial II: Consiste em aulas dadas aos acadêmicos dos Cursos de Medicina e Tecnologia Oftálmica da UNIFESP/EPM. São coordenadas por Professor do Departamento que passará todas as instruções necessárias de como o PG deve se preparar para tais aulas.

Alunos do 5º ano médico (Internato)

Dadas pelos PGs do curso de Oftalmologia e consistem em aulas práticas, as segundas e sextas-feiras (8 horas semanais), em um total aproximado de 12 aulas.

Alunos da tecnologia oftálmica

Dadas pelos PGs de Ciências Visuais e consistem em aulas teóricas

A escala para as aulas é feita no início do ano letivo pelo representante dos PGs com as seguintes regras:

As aulas são obrigatórias até que o PG defenda a tese;

São permitidas trocas, mas o PG escalado pelo representante é o responsável e deve responder na ausência da troca;

Uma falta implica na repetição do curso como um todo, não cabendo justificativa.

  • Grand Round – Curso de Atualização Continuada em Oftalmologia e Ciências Visuais

Reuniões científicas que ocorrem às segundas-feiras, das 19:30 às 21:00 horas, no Anfiteatro Boris Casoy, localizado à Rua Botucatu, 821

Freqüência obrigatória de 75% das reuniões

  • Research Days – Congresso de Atualização em Pesquisa Oftalmológica

Congresso anual do Departamento realizado ao final de cada ano, onde todos os PG’s apresentam os resultados dos estudos em andamento.
A língua oficial do congresso é o inglês, ou seja, todos os resumos, apresentações e discussões devem ser em inglês. Os trabalhos são comentados pelos orientadores e professores convidados.
Pós-Graduandos desenvolvendo teses no exterior devem enviar o resumo da tese, mas são dispensados da presença local.

  •  Presença em Defesas de Tese

O PG deve assistir por completo um mínimo de 06 defesas de tese de doutorado, independente do curso que esteja fazendo (Oftalmologia ou Ciências Visuais) ou da modalidade (mestrado ou doutorado).

*A cada ano de permanência no programa o aluno deverá repetir as atividades de Didática I e II, Educação continuada em Oftalmologia e Ciências Visuais(Grand Round) e Atualização em Pesquisa Oftalmológica  (Research Days)

 

– Exigido para todos alunos nível Doutorado Acadêmico

– Prazo

  • Quando o orientador considerar adequado e necessário

– Prazo para agendamento junto a secretaria da PPG: 40 dias de antecedência

  • O agendamento é solicitado pelo Orientador

– Documentação para agendamento:

Banca de Qualificação

  • 3 membros titulares com titulação mínima de doutorado
  • 1 membro suplente com titulação mínima de doutorado

Desejável 01 membro egresso do programa

Todos residentes em São Paulo

Não incluir o Orientador

  • Projeto e resultados do estudo (entregar 4 cópias impressas e encadernadas em espiral que será encaminhada para banca e suplente)

– Duração do Exame de Qualificação:

  • Tempo máximo de exame = 2h30mim
    • Até 20 min para apresentação do projeto
    • Até 20 mim para cada arguidor
    • Até 20 min para respostas a cada arguidor

– Resultado Exame de Qualificação:

  • Aprovado
  • Aprovado com modificações
  • Reprovado
    • Poderá tentar mais um exame de qualificação e se reprovado novamente será eliminado do Programa

Os primeiros passos para iniciar o processo de defesa de tese são:

  • Ter no mínimo 02 anos matriculado como PG1 Doutorado
  • Ter no mínimo 01 ano matriculado como PG1 Mestrado
  • Ter realizado o exame de qualificação para o Doutorado
  • Ter realizado todos os créditos obrigatórios
  • Ter a aprovação pela banca prévia da tese (vide item banca prévia) quando solicitado pelo orientador

Formatação:

Ver menu: Normas para Teses e Dissertações

Estilo “Notorious Saber”:

Somente para nível Doutorado

Em forma de artigos – regras – somente para doutorado – mínimo de 03 publicações, sendo estas:

– A tese de Doutorado poderá, ser apresentada sob a forma de compilação de trabalhos aceitos para publicação, produzidos pelo aluno durante o período em que estiver matriculado regularmente no PPG e, obrigatoriamente, abrangendo o tema de seu projeto de tese, sendo que ao menos dois destes trabalhos deverão ter o aluno como primeiro autor.

– O orientador deverá ser coautor de no mínimo uma publicação da tese.

– A tese será composta de no mínimo dois artigos em revistas indexadas internacionais e 01 artigo em revista indexada nacional.

– Será permitido a intersecção de artigos em teses de discentes de uma mesma linha de pesquisa, sendo que a intercessão será limitada a um artigo em teses de no máximo 02 discentes.

– O discente poderá solicitar prorrogação do prazo de matricula, desde que falte o aceite de uma (01) publicação para finalização da tese. O orientador deverá enviar justificava para coordenação do PPG.

Aprovação pela Banca Prévia (ambos os estilos)

A banca prévia é obrigatoriamente composta de um professor da CEPG Oftalmologia, escolhido pelo orientador.

Lembramos que o professor da banca prévia tem o direito de participar na composição da banca final, podendo ou não, conforme sua vontade, fazer uso desse direito.

Com um mínimo de 30 dias, o PG deverá entregar uma cópia escrita ao professor que realizará a banca prévia de tese já no formato oficial final (podendo ser em encadernação espiral, não havendo necessidade de capa dura).

Deverá também entregar o artigo científico formatado para a revista na qual pretende publicar a tese para doutorado revistas pertencentes ao ISI/MEDLINE e para mestrado no mínimo pertencente ao SCIELO.

O professor que fez a banca prévia deverá enviar uma mensagem de e-mail oficial à secretaria da pós-graduação em Oftalmologia (pgsecretaria@oftalmo.epm.br) aprovando ou não a prévia.

Somente após o recebimento dessa mensagem será permitida a marcação da data da defesa.

O professor co-orientador não pode fazer a banca prévia e/ou participar da banca.

Impressão (ambos os estilos)

Imprimir as teses em formato de livro:

  1. Mestrado = 04 (03 teses para os titulares e 01 para o suplente) (encadernada a critério do aluno em conjunto com o orientador, capa dura ou espiral)
  2. Doutorado = 07 (05 teses para os titulares e 02 para os suplentes) (encadernada a critério do aluno em conjunto com o orientador, capa dura ou espiral)
  3. As capas das teses deverão seguir os modelos abaixo:
    1. Modelo de capa de Mestrado
    2. Modelo de capa de Doutorado

Documentação a ser encaminha a secretaria da CEPG Oftalmo para agendamento da Defesa

  1. Proposta de Banca Examinadora de Mestrado ou Doutorado preenchida pelo orientador
  2. Formulário de Encaminhamento de Tese / Dissertação
  3. 07 Teses impressas (Doutorado) ou 04 Dissertações impressas (Mestrado), encadernada a critério do aluno em conjunto com o orientador, capa dura ou espiral. . Os membros da banca  têm por regra um prazo de 30 (trinta) dias para ler a tese, portanto, seguindo este roteiro, os documentos necessários devem ser providenciados com um prazo mínimo de um mês e meio (45 dias) a dois meses (60 dias) de antecedência da data que queiram agendar a Defesa;
  4. Arquivo da tese em PDF (CD).
  5. Parecer de aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa da UNIFESP;
  6. Faça download dos arquivos para preenchimento:
    Proposta de banca de Doutorado
    Proposta de banca de Mestrado
    Formulário de Encaminhamento de Banca  Doutorado – (impresso em duas vias)
    Formulário de Encaminhamento de Banca  Mestrado – (impresso em duas vias)

Entregar toda documentação acima com no mínimo 45 dias que antecede a data de agendamento  da defesa na secretaria do departamento.

Rua Botucatu, 806 – Secretaria Departamento de Oftalmologia e Ciências Visuais | das 08:00 às 16:00 horas

Doutorado

  • Defesa pública; a data deve ser agendada com antecedência na secretaria da pós-graduação da Oftalmo (idealmente um mínimo 02 de meses);
  • A data de agendamento da defesa depende da entrega da documentação no prazo citado acima e da disponibilidade dos anfiteatros;
  • Após recebimento da tese pela banca, os membros tem um prazo de 30 dias para avaliação;
  • Defesa pública;
  • Aula de 30 a 50 minutos;
  • Argüição: máximo de 30 minutos de perguntas por cada membro e resposta por parte do aluno;
  • Estilo da argüição (todas as perguntas de uma vez e respostas ao final ou perguntas seguidas de respostas) e ordem de chamada da banca a serem definidos pelo presidente da banca e seus componentes.

Mestrado

  • Defesa publica – apenas se solicitado pelo aluno com anuência do orientador
  • Emissão de parecer de aprovado/ reprovado pelos membros escolhidos pelo orientador
  • Prazo de emissão do parecer pelo membro da banca 30 dias

Normas para Teses e Dissertações

Esse guia tem como objetivo orientar os pós-graduandos na elaboração de suas dissertações e teses. Pretende também, contribuir para a padronização dos trabalhos produzidos na Universidade Federal de São Paulo – Campus São Paulo

Clique para acessar:

Normas para Teses e Dissertações

Como citar este trabalho:
Normas para teses e dissertações [Internet]. 2a ed. rev. e corrigida. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo, Biblioteca Antônio Rubino de Azevedo, Coordenação de Cursos; 2015 [cited Year Month Day]. Available from: http://bibliotecacsp.sites.unifesp.br/images/doc/normas-para-teses-e-dissertacoes.pdf 

Essas informações estão de acordo com a Resolução 466/12.

– O QUE É O TCLE:

O Termo de Consentimento Livre e Esclarecido é um documento fornecido ao convidado a participar na pesquisa para que ele seja informado sobre a pesquisa e possa optar de forma voluntária pela participação ou não no estudo. Em optando por participar, ele dará seu consentimento de forma livre e esclarecida.

O consentimento livre e esclarecido dos participantes de qualquer pesquisa é uma exigência em respeito à dignidade humana.

– COMO DEVE SER ELABORADO O TCLE:

O TCLE deve ser redigido na forma de convite para a participação na pesquisa. Para a elaboração de um TCLE, é importante lembrar que todas as informações devem estar escritas de forma bastante clara, simples e concisa para que a compreensão seja total. Dessa forma, é necessário que se leve em consideração o perfil do participante, para adequar a linguagem do termo. É necessário evitar portanto, termos técnicos ou outros termos não habituais ao perfil do participante leigo. Além disso, não deve conter siglas (se forem necessárias, colocar seu significado), e nem termos em outro idioma que não o português.

Os seguintes pontos devem ser obrigatoriamente considerados para a elaboração de um TCLE,

Inicialmente devem constar todos os dados relacionados à pesquisa em si:

  • título, justificativa, os objetivos, resumo geral do desenho do estudo e, principalmente, todos procedimentos específicos pelos quais o participante vai passar. Esses procedimentos devem estar bem detalhados, para que o participante fique ao par de como exatamente será sua participação.
  • devem ser dadas informações explícitas sobre os possíveis desconfortos, riscos ou efeitos colaterais (quando for o caso) esperados ou não, decorrentes da participação na pesquisa.
  • deve ser informado se haverá ou não benefícios direto para o participante. No caso de haver benefício, informar quando será evidenciada a presença de algum benefício.
  • no caso de haver grupo controle e experimental, deve ser informado ao participante em qual grupo ele será incluído. Caso seja estudo cego, deve ser informado que existe a possibilidade dele ser incluído em um ou outro grupo, sem que isso possa ser de seu conhecimento.

Após todo o detalhamento sobre a pesquisa em si e sobre qual será exatamente a participação do convidado, são dadas as informações sobre os direitos do participante, as quais estão listadas abaixo. Lembrar que nem todos os itens são obrigatórios, já que conforme o tipo de estudo, alguns dos itens citados não se aplicam:

  1. garantia de manutenção do sigilo e da privacidade: o sigilo e a privacidade devem ser garantidos aos participantes da pesquisa durante todas as fases da pesquisa: ex “Todas as informações obtidas a seu respeito neste estudo, serão analisadas em conjunto com as de outros voluntários, não sendo divulgado a sua identificação ou de outros pacientes em nenhum momento.”   (item obrigatório)
  2. garantia de plena liberdade do participante da pesquisa, de recusar-se a participar ou retirar seu consentimento, em qualquer fase da pesquisa, sem penalização alguma. (item obrigatório). No caso de pesquisa clínica, na qual o paciente será submetido a tratamento, deve ser informado que a sua opção pela descontinuidade da participação, não acarretará qualquer prejuízo à continuidade de seu tratamento na Instituição. ex: “O Sr. tem toda a liberdade de retirar o seu consentimento e deixar de participar do estudo a qualquer momento sem penalização alguma. Neste caso o Sr. poderá continuar seu tratamento na Instituição sem problemas (quando for o caso). “
  3. uso de dados e material coletado: é o compromisso do pesquisador de utilizar os dados e/ou material coletado somente para esta pesquisa. Ex: “O Sr. tem a garantia de que todos os dados obtidos a seu respeito, assim como qualquer material coletado só serão utilizados neste estudo.” .item obrigatório.
  4. acompanhamento e assistência: o convidado deve ser informado e esclarecido sobre como será feito o acompanhamento e assistência a ele durante o estudo e inclusive após ao encerramento e/ ou a interrupção da pesquisa, caso haja necessidade desse acompanhamento posterior (se for o caso). ex: “Caso seja necessário, o Sr. terá assistência permanente durante o estudo, ou mesmo após o término ou interrupção do estudo.”
  5. danos pessoais: Em caso de dano pessoal, diretamente causado pelos procedimentos ou tratamentos propostos neste estudo (nexo causal comprovado), o participante tem direito a tratamento médico na Instituição, bem como às indenizações legalmente estabelecidas. ex: “Se ocorrer qualquer problema ou dano pessoal comprovadamente decorrente dos procedimentos ou tratamentos aos quais o Sr. será submetido, lhe será garantido o direito a tratamento gratuito na Instituição e o Sr. terá direito a indenização determinada por lei.”
  6. Despesas e compensações: não deve haver despesas pessoais para o participante em qualquer fase do estudo, incluindo exames e consultas. Também não deverá haver compensação financeira relacionada à sua participação. Se existir qualquer despesa adicional, ela será absorvida pelo orçamento da pesquisa. Deve ficar explícito a garantia de ressarcimento e como serão cobertas as despesas tidas pelos participantes da pesquisa e dela decorrentes: ex: “O Sr. não receberá nenhuma compensação financeira relacionada à sua participação neste estudo. Da mesma forma, o Sr. não terá nenhuma despesa pessoal em qualquer fase do estudo, incluindo exames e consultas. Durante o período de sua participação, se houver qualquer despesa adicional de sua parte em relação a condução ou alimentação, será reembolsado.” (item obrigatório)
  7. Direito de ser mantido atualizado sobre os resultados: a qualquer momento, o participante tem o direito de acesso aos resultados parciais das pesquisas, quando em estudos abertos, ou de resultados que sejam do conhecimento dos pesquisadores. (item obrigatório); ex “A qualquer momento, se for de seu interesse, o Sr. poderá ter acesso a todas as informações obtidas a seu respeito neste estudo,ou a respeito dos resultados gerais do estudo.
  8. Direito a ter acesso aos resultados finais da pesquisa: quando terminado o estudo, o pesquisador deve informar ao participante, caso ele solicite, todos os resultados e conclusões finais sobre a pesquisa (item obrigatório). ex: “Quando o estudo for finalizado, o Sr. será informado sobre os principais resultados e conclusões obtidas no estudo.”
  9. Garantia de acesso à informação: deve ser fornecido os endereços e telefones dos pesquisadores e do Comitê de Ética para permitir que o participante tenha a quem recorrer em caso de dúvidas ou problemas. (item obrigatório). Deve haver a garantia de que os telefones dados sejam de fácil disponibilidade para permitir o rápido do participantes. Não deve haver nenhuma referência de contato com o patrocinador. Quem deve dar esclarecimentos e acompanhamento é o médico ou o pesquisador. Não deve ter nenhum contato de telefone internacional, ou seja, contatos estrangeiros. Os telefones e contatos fornecidos para o participante devem ser do pesquisador e médicos, brasileiros. Ex: “Em qualquer etapa do estudo, o Sr. terá acesso aos profissionais responsáveis pela pesquisa para esclarecimento de eventuais dúvidas. O principal investigador é o Dr (preencher o nome do pesquisador principal)que pode ser encontrado no endereço (institucional) Telefone(s) …………. Se você tiver alguma consideração ou dúvida sobre a ética da pesquisa, entre em contato com o Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Unifesp – Rua Botucatu, 572 – 1º andar – cj 14, 5571-1062, FAX: 5539-7162 – E-mail: cepunifesp@unifesp.br.
  10. Duas vias: garantia de que o participante da pesquisa receberá uma via do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido; (item obrigatório). ex: “ Esse termo foi elaborado em duas vias devidamente assinadas, sendo que uma ficará com o Sr. e a outra conosco.”

 

– OUTRAS CONSIDERAÇÕES SOBRE O TCLE, QUE DEVEM SER OBSERVADAS:

  1. Todas as folhas devem ser numeradas (ex: 1/4, 2/4, etc.) e rubricadas pelo pesquisador e pelo participante da pesquisa no momento daplicação do TCLE.
  2. Deve ser elaborado em duas vias idênticas, tendo em ambas as vias, o endereço e contato telefônico dos responsáveis pela pesquisa e do CEP local e da CONEP, quando pertinente.
  3. Deve constar espaço para data, nome e assinatura e do convidado a participar da pesquisa (ou por seu representante legal) e do pesquisador responsável ou pela (s) pessoa (s) por ele delegada (s). As assinaturas devem estar no final do termo mas não podem ficar isolada em folha separada do corpo do texto.
  4. Logo acima do local de assinatura do participante da pesquisa, deve haver uma declaração que expresse o cumprimento de todas as exigências contidas nos termo.

 

Exemplo: “Acredito ter sido suficientemente informado a respeito das informações que li ou que foram lidas para mim, descrevendo o estudo ”…………………….”. Eu discuti com o Dr. (preencher o nome do pesquisador principal) sobre a minha decisão em participar nesse estudo. Ficaram claros para mim quais são os propósitos do estudo, os procedimentos a serem realizados, seus desconfortos e riscos, as garantias de confidencialidade e de esclarecimentos permanentes. Ficou claro também que minha participação é isenta de despesas e que tenho garantia do acesso a tratamento hospitalar quando necessário. Concordo voluntariamente em participar deste estudo e poderei retirar o meu consentimento a qualquer momento, antes ou durante o mesmo, sem penalidades ou prejuízo ou perda de qualquer benefício que eu possa ter adquirido, ou no meu atendimento neste Serviço.

 

data:  ____/____/____

 

___________________________                         ________________________________________

Nome do participante da pesquisa                                                          assinatura

 

  1. Logo acima do local de assinatura do pesquisador, deve haver uma declaração que expresse o cumprimento de todas as exigências contidas nos termo.

 

Exemplo: “Declaro que obtive de forma apropriada e voluntária, o Consentimentos Livre e Esclarecedio deste paciente (ou representante legal) para a participação neste estudo. Declaro ainda que me comprometo a cumpri todos os termos aqui descritos.”

 

data:  ____/____/____

 

___________________________                         ________________________________________

Nome do pesquisador principal                                                          assinatura

 

– COMO DEVE SER O PROCESSO PARA OBTENÇÃO DO TCLE:

Após a elaboração do TCLE, e após sua submissão e aprovação pelo CEP, a etapa seguinte do Processo de Consentimento Livre e Esclarecido é o encontro do pesquisador (ou pessoa por ele delegada e sob sua responsabilidade) com o convidado a participar da pesquisapara que todos os esclarecimentos sejam dados, tanto em relação ao TCLE como em relação a pesquisa. O modo como será feita a aplicação do TCLE deve estar descrita no projeto.

Essa conversa deve levar em consideração:

  1. a) o local: buscar o momento, condição e local mais adequados para que o esclarecimento seja efetuado, considerando, para isso, as peculiaridades do convidado a participar da pesquisa esua privacidade;
  2. b) o modo como o assunto será abordado: prestar informações em linguagem clara e acessível, utilizando-se das estratégias mais apropriadas à cultura, faixa etária, condição socioeconômica e autonomia dos convidados a participar da pesquisa; e
  3. c) permitir a reflexão do convidado: conceder o tempo adequado para que o convidado a participar da pesquisa possa refletir. O convidado pode levar o TCLE para casa para que seja lido com calma, consultando, se necessário, seus familiares ou outras pessoas que possam ajudá-los na tomada de decisão livre e esclarecida.

Após tiradas todas as dúvidas, caso o convidado aceite o convite, deve assinar o Termo dando seu consentimento livre e esclarecido na presença do pesquisador (pesquisador e participante devem assinar o TCLE no mesmo momento).

 

 

 

 

 

 

 

REGRAS COMPOSIÇÃO DE BANCAS

 

COMO PRIMÍCIAS DO REGIMENTO DA PRÓ-REITORIA DE PGPQ DA UNIFESP:

Artigo 124º -É vedada a participação de membros nas Comissões Julgadoras, de cônjuge, companheiro ou companheira e de parentes, em linha reta ou colateral até o terceiro grau, em relação ao candidato;

Artigo 125º – É vedada a indicação pelo aluno de membros da comissão julgadora (banca) que avaliará sua tese ou dissertação ou trabalho equivalente

A titulação mínima dos membros de todas as bancas é de Doutor

DOUTORADO

  1. Cinco (05) membros titulares, sendo um deles o Orientador do candidato que também ocupará a posição de Presidente da Comissão Julgadora;
  2. 02 da UNIFESP (somente 01, além do orientador, pode pertencer ao PPG);
  3. 02 de fora da UNIFESP;
  4. 02 suplentes, 01 da UNIFESP e 01 de fora da UNIFESP não pertencente ao PPG;
  5. O co-orientador não poderá fazer parte da banca examinadora.

MESTRADO

  1. Três (03) membros titulares e um suplente.
  2. Pelo menos um dos membros titulares deverá ser externo à UNIFESP e não pertencente ao corpo de Orientadores do PPG.

QUALIFICAÇÃO

  1. Três (03) membros titulares e um suplente, devendo sua composição ser definida pela Comissão de Ensino de Pós-Graduação (CEPG)

EVITAR CONFLITOS DE INTERESSE DO TIPO:

  1. Vinculo de orientação a qualquer tempo (iniciação científica, especialização, mestrado, doutorado ou supervisão de pós-doutorado);
  2. Vínculo societário ou comercial com o candidato ou com seu cônjuge (solicitar declaração por escrito no convite);
  3. Parente consanguíneo ou afim, em linha reta ou colateral, até o terceiro grau, ocorrendo o mesmo para quem for ou tiver sido enteado, cônjuge ou companheiro;
  4. Colaboração acadêmica regular:
    1. Qualquer coautoria de artigo científico ou capítulo de livro publicados nos últimos 5 anos;
    2. ou mais resumos de trabalhos científicos apresentados em congresso nos últimos 5 anos;
    3. Colaboração em projetos acadêmicos com financiamento público ou privado a qualquer tempo;
    4. Situações não previstas nos itens acima, mas que sejam consideradas como impeditivas de um julgamento isento por maioria simples dos membros da CEPG.

A título de exemplos, não configuram conflitos de interesse objetivos:

  1. Participações conjuntas como membros de bancas julgadoras;
  2. Participação como membro de banca julgadora de títulos do candidato;
  3. Participações antigas (> 5 anos) e esporádicas em trabalhos apresentados em congressos ou capítulos de livros.

– A tese de Doutorado poderá, ser apresentada sob a forma de compilação de trabalhos aceitos para publicação, produzidos pelo aluno durante o período em que estiver matriculado (PG1) regularmente no PPG e, obrigatoriamente, abrangendo o tema de seu projeto de tese, sendo que ao menos dois destes trabalhos deverão ter o aluno como primeiro autor.

– O orientador deverá ser coautor de no mínimo uma publicação da tese.

– A tese será composta de no mínimo dois artigos em revistas indexadas internacionais e 01 artigo em revista indexada nacional.

– Apenas artigos aceitos poderão compor a tese.

– Será permitido a intersecção de artigos em teses de discentes de uma mesma linha de pesquisa, sendo que a intercessão será limitada a um artigo em teses de no máximo 02 discentes.

– O discente poderá solicitar prorrogação do prazo de matricula, desde que falte o aceite de uma (01) publicação para finalização da tese. O orientador deverá enviar justificava para coordenação do PPG.

Para melhorar sua experiência de navegação, utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes. Ao continuar, você concorda com a nossa política de privacidade.